55 11 94815-4321 (Tim-WhatsApp) / 55 11 94627-8880 (Oi)

A composição musical You´ve Lost That Lovin` Feelin` – que numa tradução livre para o português seria algo como Você Perdeu Aquele Sentimento Amoroso – foi uma das gravações mais executadas nos Estados Unidos no século XX. E esse sucesso estrondoso não foi à toa. Já de início, sua letra dizia: “Você nunca mais fecha os olhos quando beijo seus lábios / E não há mais aquela suavidade nas pontas de seus dedos / Você está se esforçando para não demonstrar / Mas Baby, Baby, eu sei / Você perdeu aquele sentimento amoroso” (tradução livre). A identificação do público com essa música foi imensa e isso ocorreu porque ela fala de uma experiência vivida por uma grande parcela da população, a de testemunhar a morte do amor em um relacionamento. Quando os casais identificam que o amor já se foi e conversam calmamente sobre isso, normalmente conseguem fazer uma boa finalização do relacionamento, tornando ambos os membros disponíveis e livres para novos amores. Mas esse processo de identificação da morte do amor e consequente separação, às vezes, não ocorre de modo tão simples assim. Há situações em que os membros da díade nem percebem que o amor já morreu. Esse texto é sobre dicas que ajudam a perceber se ainda há amor na relação.

shutterstock_366672020

A primeira dica é tentar perceber se os membros do casal costumam remoer sempre os mesmos assuntos, transformando essas discussões frequentes em brigas cada vez mais homéricas e amargas. Normalmente, esse tipo de interação tóxica acontece entre pessoas que acumulam ressentimentos antigos, produzidos por questões mal resolvidas do passado. Casais que vivenciam situações como essa e procuram ajuda rapidamente aumentam suas chances de resolverem os mal entendidos e encontrarem o amor, por vezes diminuído, mas ainda vivo. Quando demoram demais para buscarem auxílio, é comum perceberem que, mesmo após reduzidas as brigas, o amor já não está mais lá.

Uma outra dica é verificar se apenas um dos membros do casal está empenhado em solucionar os problemas do relacionamento. Às vezes, um dos parceiros faz de tudo para tentar resolver a situação, ao passo que dá de cara com a inércia do outro nesse processo de superação dos problemas. Quando isso acontece, geralmente o prognóstico não é bom. Uma metáfora que poderia tentar descrever a sensação do membro da díade que está tentando salvar a relação é a de uma pessoa tentando reanimar um cachorro que já morreu. São intensos os sentimentos de frustração e impotência nesses casos. Após passado algum tempo, há uma tendência de que esse parceiro “salvador” vá, aos poucos, abandonando a tarefa de “salvar” a relação. Quando há esse abandono, há o fim da relação. Quando não há esse abandono, tem-se a situação de um casal que não sabe que o amor já morreu.

Uma outra possível forma de identificar a morte de um amor é ver o que acontece com os parceiros quando ouvem juntos músicas que outrora os tocavam. Quando não há mais amor, é comum que essas músicas, anteriormente significativas para ambos, entrem por um ouvido e saiam pelo outro, enquanto o cenário se aproxima a passos largos de um deserto à la Saara.

Esse é um texto meramente informativo e que não tem o objetivo de substituir consulta por profissional especializado. Caso você tenha problemas em sua vida conjugal, sugiro procurar a ajuda de um psicoterapeuta que tenha conhecimentos teóricos e experiência prática na área.

Texto de autoria do Psicólogo Alexandro Paiva.

Psicólogo Clínico e Psicoterapeuta Sexual (CRP 06/118772) com experiência no atendimento de clientes brasileiros e estrangeiros adultos (individual e casal), nas línguas inglesa e portuguesa. Especialista em Terapia Comportamental Cognitiva em Saúde Mental pelo Ambulatório de Ansiedade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (AMBAN IPq HC FMUSP) e Especializando em Psicoterapia com Enfoque na Sexualidade pelo Instituto Paulista de Sexualidade (INPASEX). Membro da Associação Brasileira de Psicologia e Medicina Comportamental (ABPMC). Especialista em Língua Inglesa: Metodologia da Tradução pela FAFIRE, tendo atuado como Professor de Língua Inglesa por cerca de 10 anos (Brasil e China) e convivido com pessoas de diferentes culturas, mantém o PsycBlog. Trata-se de um Blog com Recursos Psicoeducacionais nas áreas da Psicologia e da Sexualidade. Interesses principais incluem Psicologia, Sexualidade, Tradução, Línguas Estrangeiras, Viagens e Fotografia.

%d blogueiros gostam disto: